domingo, julho 14, 2024
More
    InícioBrasilSTF descriminaliza porte de maconha para uso pessoal

    STF descriminaliza porte de maconha para uso pessoal

    Em uma decisão histórica, o Supremo Tribunal Federal (STF) descriminalizou o porte de maconha para uso pessoal nesta terça-feira (25). Após nove anos de julgamentos e adiamentos, a maioria dos ministros decidiu que a posse de maconha não será mais considerada uma infração penal, mas sim uma infração administrativa. Isso significa que, embora o porte de maconha continue sendo ilícito, as penalidades associadas serão de natureza administrativa, como advertências ou cursos educativos, em vez de processos criminais e penas de prisão. Fumar maconha em público, no entanto, permanece proibido.

    Impactos da descriminalização da maconha

    A decisão do STF manteve a validade do Artigo 28 da Lei de Drogas (Lei 11.343/2006), mas alterou a forma de punição para os usuários. A partir de agora, as punições previstas, como prestação de serviços comunitários e comparecimento obrigatório a cursos educativos, não terão mais natureza criminal. Isso elimina a possibilidade de registro de reincidência penal para os usuários de maconha. A definição sobre a quantidade que caracteriza o uso pessoal e distingue usuários de traficantes ficou para a próxima sessão, prevista para amanhã (26). Os ministros discutem a possibilidade de estabelecer entre 25 e 60 gramas ou seis plantas fêmeas de cannabis como limite para o consumo pessoal.

    Polêmica em torno da descriminalização da maconha

    A descriminalização da maconha no Brasil é um tema que causa controvérsia e divide opiniões entre especialistas e autoridades. O professor de direito constitucional Rodrigo Brandão, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), ressalta que a ausência de critérios objetivos na legislação atual contribui para a violação de princípios constitucionais, como a dignidade da pessoa humana e a igualdade. Segundo Brandão, a falta de distinção clara entre usuários e traficantes prejudica, sobretudo, negros e pobres, que são mais frequentemente classificados como traficantes em situações onde brancos e ricos são considerados usuários[DW] [Revista Fórum].

    Por outro lado, o senador Efraim Filho (União-PB), contrário à descriminalização, argumenta que a lei deve ser aplicada de forma correta e justa, sem discriminação racial ou social. Ele sugere que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realize seminários para orientar os juízes na aplicação correta da lei, tratando os usuários sem encarceramento e os traficantes com o rigor necessário [DW].

    Defensores da descriminalização, como o jurista Cristiano Maronna, apontam que a atual aplicação da Lei de Drogas contribui para o encarceramento em massa de jovens negros e pobres, e que a mudança ajudaria a reduzir essas desigualdades. Maronna destaca que a legislação atual prejudica esses grupos, enquanto a descriminalização poderia garantir um tratamento mais justo e igualitário [Revista Fórum] [Exame].

    A descriminalização da maconha pelo STF representa um marco significativo na política de drogas do Brasil, redefinindo a abordagem às infrações relacionadas ao uso pessoal da substância. Com a mudança, as punições criminais são substituídas por medidas administrativas, refletindo uma tentativa de enfrentar de forma mais eficaz o crescente consumo e o poder do tráfico de drogas. A definição precisa da quantidade de maconha que será permitida para uso pessoal será concluída na próxima sessão, oferecendo clareza tanto para os usuários quanto para as autoridades. A decisão gerou reações diversas, destacando a complexidade e a controvérsia do tema no cenário brasileiro.

    Leia Também:

    Julgamento sobre descriminalização das drogas para uso pessoal

    Siga nossas redes sociais Instagram  e Facebook

     

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Últimas Notícias